Welcome* Bem-Vindo * Kirzeer * Benvenuto * Bienvenue * Willkommen * Välkomnande * Nрием * 歓迎 * Selam * 欢 * Witajcie *

24 de abr de 2009

Comunistas de Boutique


Comunistas de Boutique
Como, quando e por que o socialismo cedeu às compras



por Ery Peratza em 14/08/08 para Revista Tafetà


Imagine um mundo onde todos usassem tênis verde oliva, saias jeans até o joelho, todos usassem peças da mesma marca e ainda que não houvesse calça número 42. Seria um mundo monocromático, de uma personalidade chata e fundida, com multidões sem rostos e traços, todos andando em marcha esquelética com emoções monótonas. Afinal de contas a moda é ou não é o transparecer de personalidades e vontades? Imagine-se num mundo onde você não pudesse fazer escolhas entre o rosa e o roxo, entre vestido e túnica, entre sexy e elegante, pois há somente uma única opção e que não é opção já que é um caminho compelido pela ausência das alternativas. Eis então o mundo socialista. Não que seja ruim, mas não é nada versátil. Além de muito brega, já que corre riscos profundos de se deparar com uma siliconada trajando o mesmo vestido preto básico e clássico que você naquela festa.
Na U.R.S.S., era o Estado o responsável pela produção de alimentos, de automóveis e também de tecidos. Estes eram fabricados apenas para a mera sobrevivência e diga se de passagem que eram tecidos bons e grossos uma vez que na Rússia, por exemplo, o inverno é tão rigoroso que a temperatura chega a marcar 50 graus negativos. Apesar da elegância dos casacos de pele, havia uma única marca, a do Estado e por isso tudo era igual para todos os cidadãos. Menos é claro as leis. Essa situação atualmente já é ultrapassada. Os únicos países de certa forma persistentes do socialimo são Cuba e Coréia do Norte. Mas suas fronteiras estão abrindo - lentamente mas estão - aos imigrantes capitalistas. Nos anos da Guerra Fria, nada ultrapassava a "cortina de ferro". A Guerra Fria foi, por um bom tempo, o terror e a angústia de muitos, tantos dos habitantes do capitalismo quanto do socialismo. As adversidades entre EUA e a U.R.S.S. eram acirradas e assustadoras. Temia-se que a qualquer instante o mundo sucumbiria ao aperto de um botão vindo do oriente ou do ocidente. Felizmente, as disputas pela conquista do mundo foram indiretas e nunca nenhum americano lutou com arma na mão contra um soviético. As lutas possuíam uma essência completamente idealista. Enquanto a Doutrina Abraço do Urso agarrava os países do leste europeu como aliados, a Doutrina Truman dos EUA e seus fiéis companheiros, evitava a expansão do socialismo. A criação do Plano Marshall, uma ajuda financeira aos países europeus aliados dos Estados Unidos que estavam arrasados após a Segunda Guerra Mundial, foi respondida pela mesma moeda pela União Soviética através do Comencon. A OTAN, que existe até hoje, também foi uma resposta ao Pacto de Varsóvia, uma aliança militar. As brigas pelas estrelas e pela Lua, a corrida armamentista e o planeta bipolar chegou ao fim, simbolizado pela Queda do Muro de Berlim em 1992. Logo, o E.U.A, se viu como líder absolutista. Já a U.R.S.S., cujo Estado patrocinava os gastos militares sem ter em troca lucros como ocorria com as empresas nos Estados Unidos, se viu num abismo de grave crise econômica. Era o ínicio do fim, os sintomas de sua morte. O famoso Gorbatchev entra no poder e para salvar a União Soviética, propõe uma reforma econômica, a perestroika e outra militar, a glasnot. A última foi muito bem aceita pelo ocidente uma vez que o bloco soviético se desfez. A Rússia estava cheia de problemas para poder 'cuidar' dos outros países e o seu desarmamento da U.R.S.S. foi dado como redenção. Gorbatchev então, começou a introduzir paulatinamente o capitalismo no país com acordos entre empresas e afins que liberaram, a principio de forma sutil, o consumo. No entanto suas atitudes despertavam fortemente a oposição, deixando o em cima do muro, entre a cruz e a espada, quase que literalmente. Os ultra-reformistas alegavam e reclamavam da velocidade do processo capitalista e do outro lado, os militares não estavam nem um pouco felizes com o desmanche do Pacto de Varsóvia. Até que ocorre um golpe que não foi um golpe, ou que ainda foi um golpe no golpe. Boris Yeltsen evitou o golpe militar e Gorbatchev, ao voltar de suas queridas férias, o agradeceu imensamente. Acontece que o mesmo Boris deu um chega para lá no presidente: ele continuaria sendo presidente, mas não articularia mais nada. Em um dia de Natal, Gorbatchev se cansa de ser apenas um boneco e renuncia a seu cargo. Recentemente, fez uma campanha para a Louis Vuitton.
Foi assim que, de uma hora para outra, a U.R.S.S. entrou em extinção e tão rapidamente se tornou capitalista e subdesenvolvida. Em alguns cantos, essa transição aconteceu de uma maneira bem mais sangrenta as quais a Guerra da Bósnia e a de Kossovo exemplificam com milhares de mortos. A história nos faz imaginar um mundo sem guerras, porém é difícil de alcançar esta realidade longínqua. Mesmo assim, imagine ao seu redor se a Guerra Fria fosse inexsistente e invisível. O mundo daquela época de dispustas de poder e controle, não haveria produzido tamanha tecnologia, inventado alternativas, não haveria publicitários, empresários, talvez não houvesse nem se quer escolhas de profissão. Por outro lado, é uma pena que o socialimos falhou. Uma chance dada a sorte que não a agarrou, perdendo o jogo antes de chegar a próxima e última fase, o comunismo. É necessário mais treinamento, cautela e persistência, pois o mundo não está preparado economicamente ainda e muito menos a mente e alma humana para viver em comum, em harmonia, onde tos são iguais e livres, não há ricos nem pobres. Contudo, se o dia do comunismo chegar a reinar, com certeza o dinheiro não vai deixar de existir. Será uma convivência arduamente contraditória. Imagine um mundo, nada capitalista, mas sem Chanel, Prada, Dior,Versace. O dinheiro só vale a pena porque existem as mulheres e sua beleza, e seu sorriso, seu encanto, seus desejos e seus gostos. Sem colares de diamantes Cartier, as mulheres não teriam tanto brilho, sem batons da M.A.C seus sorrisos não seriam tão cativantes, sem perfumes Guerlain elas não seriam tão doces.
Sem o capitalismo, ou seja, sem o consumismo sadio - não o exarcebado e doentio que corrói e Saint Laurent castiga - as mulheres seriam só mulheres, com rostos comuns, e saias iguais, e indistintas, não seriam femininas, não cuidariam dos cabelos as unhas dos pés, não correriam desesperadas ao shopping. E os homens, os homens também só subexistiriam já que não poderiam acalmá-las, presenteá-las, mimá-las e serem dominados por elas e seus mistérios, suas mentes perigosas e capitalistas. Não é uma defesa ao sistema. Muito pelo contrário. Pois sim, o capitalismo é ruim, porco, selvagem, e aos poucos ou rápido demais é capaz de destruir os materialistas, os egocêntricos, os individualistas, os manipulados. Todavia, até hoje paira em todas as direções e amamos de paixão comprar, rasgar, gastar, justo porque o capitalismo é podre e se encaixa perfeitamente em nossos sonhos estúpidos de um dia querermos ser comunistas, assim que a liquidação da Zara terminar.

11 de abr de 2009

O Buraco

Estamos no buraco. Literalmente. Nossa economia, nossa política, nossas vidas... tudo lixo, porcaria, mediocridade. Agora vem cá... tudo isso... toda essa merda, essa montanha de esterco cada vez maior... tem explicação? Será que... A gente pensa merda e aí vira merda... ou somos merda e pensamos merda? Será que as consequências da desigualdade são mesmo o reflexo do controle estatal? Ou é por causa da desigualdade que temos falta de controle? Filosofia de bar fosse a solução... Estaríamos no paraíso... mas há tanta burocracia pra entrar lá... Em compensação, qualquer um pode entrar no Inferno... digo... Hospital das Clínicas. Entre 650 a 900 pessoas entram lá por dia. E lógico que o HC não tem estrutura para tanto. Faltam médicos, camas, cobertores, remédios, qualidade. Suponho que o Albert Eistein ( sei lá como escreve...) é bem diferente disso. Entre os 340 hospitais de São Paulo, este foi eleito o melhor. Vai ver lá eles tratam o paciente como ser humano e não deixam ninguém enjaulado no corredor da morte. Mas é claro... HC é de "grátis"... e o tal do albert é só pra quem tem grana mesmo... Acorda! É um hotel de luxo para doentes e grávidas. O que resto pro ' povão' mesmo é o buraco... Como ninguém vai ser atendido mesmo... Analfabetos, doentes, professores, moradores de rua, médicos, e ... brasileiros insignificantes, começem a cavar sua própria cova... Morrer pode custa mais caro que viver... Mas quem sabe, depois de toda papelada, Deus deixe a gente entrar e relaxar... lá... bem longe, bem abaixo da terra... onde ninguém mesmo vai ouvir nosso desespero.


Por Érica P. Perazza em 30 de Agosto de 2007

8 de abr de 2009

"JORNALISMO é a arte de informar para transformar" Clóvis Rossi



E iludidos que não sabem que a Esperança já morreu acreditam nesse dogma.
João era seu nome. João morreu e ficou famoso.
Sua fama se deveu a violência.
E assim nasce mais reportagens que aparecem em todos os jornais, revistas, programas e conversas ( e por que não blogs?) que permanecem constantes por uma semana.
Depois, é abafado e só volta na rettrospectiva da Globo, SBT, Record e afins.
Hoje ouvi um deputado dizendo naqueles flashes das reportagens comidas do Jornal Hoje: " Enquanto não morrer um deputado, um ministro, um político... eles não vão fazer nada!"
Olhei seu nome de soslaio: Alberto Braga ou algo assim.
Foi amor a primeira vista. Mas convenhamos que eu não sou a única apaixonada.
Todo mundo SABE disso.
Mas mesmo assim continua naquele lenga-lenga, naquela reclamação sem atitude.
Sempre que acontece essas tragédias, tem mobilização social no Brasil. Durante uma semana. Depois as pessoas se fazem esquecer.
Espera aí! " Sempre que acontecem tragédias"? Até parece que isso é uma raridade, não? Todos os dias acontecem "tragédias". A obra do metrô, por exemplo, o menino João, os ataques do PCC... tudo tragédia... porque morreu gente... as pessoas ficam apavoradas, revoltadas. pronto. Depois acabou.
Acabou o pânico... que aparece na Tv.
A violência e a corrupção continuam firmes e fortes. As lágrimas de quem sofre clandestinamente na periferia ainda estão bem molhadas.
E continuam até o fim de nossas vidas. São bem fiéis, sabe.
Não adianta mais se rebelar. Protestar, reclamar. Se a comida tá fria, azar o seu. Se não arruma emprego, azar o seu. Mas por favor, heim, cidadão, não proteste. Ou você quer virar vagabundo?
Convenhamos que passar por um trauma e tanta humilhação, é melhor passar por tudo isso na surdina do que para 20 milhões de telespectadores. É o dobro da humilhação. Vamos ficar aqui com nossa bundinha quentinha no sofá vendo todo mundo se matar. Em casa estaremos a salvo. Estaremos? Sim, se vc tiver uma bazuca e muito dinheiro. Dinheiro é lei. Não sei por que ainda aquele povinho da assembléia não resume a nossa contituição ou pelo menos adiciona uma frase a ela: " Dinheiro é lei. Se vc tem dinheiro, faça o que quiser na República brasileira de zé-ninguém". Aqui é uma terra de oportunidades. Vc pode fazer o que quiser. Venha para cá, americanos tontos.Fiquem milionários. Comece como mendigo e seja promovido a traficante, ou seja, diretor geral dessa merda maravilhosa de desordem e regresso. Aqui vc pode tudo.
Quer matar, roubar, estuprar e não ser preso? Quer brincar com fogo e queimar uns ônibus?
Claro, seu fora da lei, bandido desgraçado, faça o que você quiser no seu parque de diversões.
Os políticos deixam... NÓS DEIXAMOS!

O mundo é pior do que vc imagina. Muito pior. Já fez putarias e orgias. O tempo de Woodstock já passou. Se pensa que há uma chance pra vc de ascensão na vida, vai fazer tratamento, meu caro ninfomaníaco. Tenta outra coisa. Não importam seus talentos e posições. Vai fazer terapia e arruma um modo de fazer dinheiro. Ou venha para cá, una-se anós em nosso plano "infálivel".
É só infalível porque vendo essa realidade, só conseguimos viver nos sonhos.
Vem pra cá logo antes que vc se contamine. Venha ser jornalista. Venha ser nosso colega. Assim, não morreremos sozinhos.



Por Érica P. Perazza em 12 de Fevereiro de 2007

5 de abr de 2009

Keane inventa e reinventa




Keane inventa e reinventa
A banda lança novo CD, mais alegre do que os anteriores, mas com a mesma essência nas letras.
Fãs comentam essa nova fase de seus ídolos.


Keane. Você com certeza já escutou alguma música dessa banda e até gosta, mas não sabe exatamente quem são. A maioria dos fãs com certeza já passou pela situação com uma determinada frequência na qual explicam quem eles são afinal. Keane?! Quem?!

Keane é a banda inglesa, de Battle do condado de East Sussex, composta por Tim Rice-Oxely, o pianista e compositor, Richard Hughes, baterista e por Tom Chaplin, o vocalista. Famosa pelos hits "Somewhere Only We Know", "Everybody's Changing" já foi considerada por muitos críticos emorock e comparada incansavelmente aos compatriotas, Coldplay.

As comparações ao Coldplay devem-se ao uso do piano e ao tom melancólico das canções. Contudo, o uso desse instrumento no Keane é bastante diferente e característico. Mesmo carregados de influências de bandas como Ramones, U2, Depeche Mode, A-ha, Queen e Pet Shop Boys, Keane consegue ter seu estilo próprio.

O primeiro trabalho da banda foi o single "Call Me What You Like" o qual não emplacou e passou um tanto desapercebido pela mídia. Depois do fracasso, o trio repensa sua sonoridade e decidem focar mais nos teclados e no piano. Desde então, as coisas começaram a fluir melhor. Convidados pelo Fierce Panda a gravar mais um single, "Everybody's Changing", logo ganham o topo das paradas da rádio 1 da BBC de Londres, o que abre portas para finalmente gravarem seu primeiro primeiro disco, Hopes & Fears, lançado em 2004. Desfrutado do sucesso, é sucedido pelas baladas "Is It Any Wonder?" e "Crystall Ball" do segundo disco, Under The Iron Sea, de 2006.
Com o lançamento de seu terceiro álbum no final do ano passado, o trio inglês reafirma sua personalidade musical única. "Perfect Symmetry" possui músicas contagiantes e enérgicas e com isso teve uma repercussão excelente no mundo todo, sendo muito bem recebido pela crítica. Spiralling, é o primeiro single do terceiro álbum do Keane. A música ficou disponível gratuitamente durante uma semana no site oficial e chegou a atingir a marca de 500 mil downloads. Ainda, no novo ábum, o trio adere finalmente o instrumento clássico da música, a guitarra. Anteriormente, o som era gravado por Tim no computador. Para o pianista da banda conseguir ter mais movimentos no teclado, o vocalista, Tom Chaplin toca guitarra em algumas canções e Jesse Quin participa como baixista de apoio. No início, muitos fãs estranharam essa mudança. "Achei que foi uma cartada cheia, não levei muita fé.", conta Mika, umas das 108 membros do Fã-Clube Oficial da banda no Brasil. "Keane para mim era uma banda sem guitarra e era isso o que os diferenciava. Mas depois que ouvi Spiralling, me apaixonei", confessa a fã. "É uma música totalmente dançante, impossível ficar parado!" E enfatiza: "Keane foi reinventado e estou amando o resultado."
Rebeca Arima, fã antiga da banda, acompanhou todas as fases de Keane. "Dos três álbuns lançados cada um possui uma peculiaridade. O primeiro é mais melancólico e fala do passado, o segundo fala da solidão e o terceiro sobre o amor. As letras continuam bastante profundas em seu sentido, mesmo com o ritmo diferente e experimental. O que importa é a essência, o que faz a banda ser bastante especial."

Keane veio pela primeira vez ao Brasil em abril de 2007 e repetiu a dose em março desse ano. Rebeca que viu a banda pessoalmente nas duas vezes e compareceu ao show em São Paulo e em Belo Horizonte desse ano,garante que mesmo depois de todo o sucesso e repercussão, continuam os mesmos simpáticos de sempre. Depois de assistir o show viciante há dois anos, virou fanática e entrou para o Fã-Clube.

Apesar do que a maioria pensa, fazer parte de um fã-clube não indica ter privilégios para com a banda como entrar no camarim e passagem de som.Celeste Bastos, uma das fundadoras do site "Keane.com.br" e do fã-clube oficial, revela que há outras vantagens mais importantes."Integrar-se com novas pessoas de vários Estados do país, passar por diferentes experiências juntos e coloborar com a divulgação da banda não tem preço." Celeste mora no interior do Rio de Janeiro e
veio para São Paulo em março assistir o show da sua banda preferida.
Muitos fãs, membros ou não do fã-clube, tentam a sorte para tirar uma foto, dar presentes no aeroporto ou no hotel e quem sabe, entrar na passagem de som.

A estudante catarinense, Maria Carolina Veríssimo ainda desacreditada que os viu pessoalmente e que conversou um pouco com a banda, relembra a sorte de ter conseguido entrar na passagem de som em São Paulo:"Foi a melhor sensação da minha vida, o momento mais feliz dela. Quando eu os vi tocando, parecia que eu estava assistindo um DVD ou algo parecido, porque era muito surreal! Ter falado com eles ainda, é totalmente inexplicável!"


Keane permanece uma banda alternativa e desconhecida por muitos. Suas novas músicas são mais alegres e inspiradas nos anos 80, contudo, só reestabelem seu perfil. Keane sempre inventa e reiventa. Entrou para a história com o primeiro show em WebCast 3D, no passado 2 abril e retoma seu tradicionalismo melancólico com a última faixa de Perfect Symmetry, "Love is the end".
Da próxima vez que perguntarem "Keane!? Quem!?" Só resta a resposta: Keane é Keane.





Legenda das fotos:

1- Fãs na fila do Credicard Hall: mais de 13 horas na fila aguardando o show

2 - A banda, ao final de sua performance do dia 10 de março, em São Paulo.

Por Érica Perazza.
Matéria para a aula laboratorial de jornalismo.


Contribuíram para esta matéria:

Aline Britto
Celeste Bastos, de Araruama, RJ
Hamíreths "Mika" Costa
Maria Carolina Veríssimo, de Florianópolis, SC
Rebeca Arima

Blog Widget by LinkWithin